Abril 14 2010

"A Educação Parental, conceptualizada como uma intervenção que engloba serviços disponibilizados ao nível dos sectores público e privado, a mães e pais de diversos níveis sócio-culturais e económicos, de natureza educativa e preventiva, ou como resposta a situações de crise, tem sido alvo de um interesse crescente, quer a nível internacional, quer designadamente no nosso país. As recentes mudanças ocorridas na estrutura social e familiar, têm vindo a constituir-se como factores que incentivam o desenvolvimento de iniciativas de intervenção neste domínio, em virtude dos desafios que acarretam para o desempenho das funções parentais nos dias de hoje. Também os contributos teóricos da Psicologia, concretamente nas áreas de estudo das relações precoces e dos estilos parentais, bem como da importância da família para o desenvolvimento e equilíbrio infanto-juvenil, vêm encorajar o crescente investimento nesta área de intervenção. O presente estudo teve por objectivo construir, implementar e avaliar um programa de Educação Parental, designado Ser Família. Este programa integra conceitos dos modelos teóricos reflexivo e adleriano, bem como de algumas abordagens que se enquadram no âmbito da Psicologia Positiva, especificamente nas temáticas do optimismo e estilo explicativo, inteligência emocional e bem-estar subjectivo. Construído para uma população-alvo de nível sócio-económico carenciado, foi implementado no âmbito de um trabalho de intervenção comunitária, junto de casais de mães e pais. Recorrendo a uma metodologia de pré-teste e pós-teste, com grupo experimental e grupo de controlo, e integrando abordagens avaliativas de carácter quantitativo e qualitativo, conclui-se que o programa Ser Família tem um impacto positivo junto das figuras parentais nas seguintes áreas: auto-estima; expressão de sentimentos positivos e auto-regulação de sentimentos negativos; atitudes de optimismo perante as dificuldades/adversidades e perante a vida/as pessoas. Três meses após o término da intervenção os efeitos mantiveram-se na avaliação de follow-up, particularmente na área da auto-regulação emocional, se bem que foram também evidentes algumas dificuldades de manutenção da mudança. Discutem-se as implicações deste estudo, concretamente para a intervenção em Educação Parental, para a Psicologia Escolar e para a investigação futura."

Um estudo muito interessante de Maria José Ribeiro para qualquer pai e encarregado de educação que pretenda explorar esta área do conhecimento.

Consultar aqui

publicado por apvnpoiares às 18:54

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Publicitam-se as actividades e os projectos da APais. Publicitam-se as actividades educacionais público-privadas que envolvam crianças, jovens e pais.
mais sobre mim
Abril 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
13
15
17

18
19
21
24

25
26
27
28


links
pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO