Maio 07 2012

O "obscurantismo programado" é um conceito cunhado por Alberto Melo, teórico da educação de adultos, que visa explicar o resultado de políticas educativas discriminatórias e excludentes que foram largamente difundidas (e implementadas) durante o Estado Novo. Segundo este teórico, os representantes do Estado Novo desenvolveram políticas educativas que faziam a apologia da ignorância e das virtudes intrínsecas do povo português. Em texto publicado na Revista "O Direito de Aprender", Alberto Melo traz-nos palavras do deputado Pinto da Mota, que afirmava em 1938: “Deformar o espírito de quem aprende é a maior das desgraças; é melhor deixá-los analfabetos do que com o espírito deformado... Se nós queremos entregar esse milhão e seiscentos mil analfabetos nas mãos de qualquer professor, esses homens podem vir a transformar-se em inimigos da sociedade”. Ler, escrever e contar foram, assim, durante décadas, consideradas atividades menores (e até perigosas) para as classes populares.

Ainda hoje ouvimos dizer: "Estudar para quê? Eles que vão mas é trabalhar!" A escola e o trabalho intelectual, ainda são vistos como sinónimos de não trabalho. O papel da biblioteca e dos bibliotecários é assim fundamental para erradicar a ideia de que escola é um lugar dispensável para as classes populares. Como? Ajudando a difundir a leitura, a aprendizagem e o conhecimento como fatores fundamentais para o desenvolvimento cultural, económico, político e social das comunidades. Daí que seja preciso difundir a ideia de uma escola em que trabalhar para obter resultados positivos é uma tarefa que congrega vontades e ações de todos os parceiros da comunidade educativa. Sem perdermos de vista um princípio ético fundamental: uma escola onde se trabalha para se atingirem resultados, jamais poderá ser uma escola discriminatória e excludente.

 

 

Referências bibliográficas:
Melo, Alberto (2008). "A ausência de uma política de educação de adultos é uma forma de controle social". In Revista O Direito de Aprender, sd.

Cunha, Murilo (2012). "Como resolver o x do problema da leitura?" In Blogue "A Informação".

publicado por apvnpoiares às 08:00

Maio 06 2012

 

 

 

Para Sempre

 

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.
Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
— mistério profundo —
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade, in 'Lição de Coisas'

publicado por apvnpoiares às 15:19

Maio 06 2012

 

Está a decorrer na Biblioteca Municipal de Vila Nova de Poiares, Centro Cultural de Poiares, uma feira de trocas de livros.

Para mais informações contactar os serviços da biblioteca municipal.

 

 

publicado por apvnpoiares às 08:00

Maio 05 2012
publicado por apvnpoiares às 08:00

Maio 04 2012

Vamos aprender a fazer uma lupa de água?

 

publicado por apvnpoiares às 08:00

Maio 03 2012

A jovem Inês Duarte, filha de Carla Nunes, uma das representantes da Associação de Pais, voluntariou-se para nos ajudar a fazer a reportagem fotográfica da sessão com Clara Haddad de dia 13 de Abril de 2012. Aqui estão algumas das suas fotos. Obrigada Inês.

 

publicado por apvnpoiares às 08:00

Maio 02 2012

Ana, um elemento da comunidade inglesa, partilha a leitura de "The Gruffalo" da autoria de Julia Donaldson.

 

 

 

publicado por apvnpoiares às 08:00

Maio 01 2012


publicado por apvnpoiares às 08:00

Publicitam-se as actividades e os projectos da APais. Publicitam-se as actividades educacionais público-privadas que envolvam crianças, jovens e pais.
mais sobre mim
Maio 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10


24
26

28
29


links
pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO